CONSIDERAÇÕES SOBRE FORMAÇÃO DO DOCENTE DE QUÍMICA

O PERFIL DO EGRESSO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA (UEPB)

Autores

  • Rochane Villarim de Almeida

DOI:

https://doi.org/10.56069/2676-0428.2022.130

Palavras-chave:

Formação Docente, Química, Perfil Docente.

Resumo

O ensino de Química é conhecido por popularmente oferecer conteúdos que estão, por vezes, longe dos interesses dos alunos e dos problemas que os profissionais dessa área do conhecimento estão tentando resolver hoje e os métodos que utilizam. Em geral, durante seu ensino, o caráter humanista da Química e suas implicações sociais não são contemplados e pouco se conta das interrelações com outras disciplinas como biologia, física, matemática ou ciências da terra. Tal situação preocupa os processos formativos do professor de Química, tendo em vista que é para sala de aula que esse profissional de destina. Assim, esse artigo bibliográfico tem a meta profícua de discorrer sobre os processos formativos que envolvem o professor de Química, dando ênfase ao perfil do egresso da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). 

Biografia do Autor

Rochane Villarim de Almeida

Doutora em Ciências da Educação pela Universidad Autonoma de Assunción

Referências

ALMEIDA, E. & GEHLEN, S. Organização curricular na perspectiva freire-cts: propósitos e possibilidades para a educação em ciências. Ensaio Pesquisa Em Educação Em Ciências (Belo Horizonte), p.21, 2019.

BARROSO, J. (Organização e Regulação dos Ensinos Básicos e Secundá-rio em Portugal: sentidos de uma evolução. Educ.Soc., 24(82), p. 63-92, 2003.

BASTOS, M. Educação pública e independência na América Espanhola e Brasil: Experiências Lancasterianas no século XIX. Revista Historia de La Educación Latinoamericana, 14(18), 2012.

CACETE, N. Breve história do ensino superior brasileiro e da formação de pro-fessores para a escola secundária. Educacao e Pesquisa, 40(4), p. 1061–1076. 2014.

CHARLOT, B. Relação com o Saber, Formação de professores e globaliza-ção. Porto Alegre, Brasil: Artmed. 2005.

CINTRA, A.; DEL PRETTE, Z. Teacher-trainee’s characteristics, process and results in a blended social skills program. Psico-USF, 24(4), p. 711–723, 2019.

COIMBRA, C. L. Os Modelos de Formação de Professores/as da Educação Bá-sica: quem formamos? Educacao and Realidade, 45(1), 2020.

CORRÊA, C. A relação entre desenvolvimento humano e aprendizagem: pers-pectivas teóricas. Psicologia Escolar e Educacional, 21(3), p. 379–386, 2017.

COUTINHO, R. As teias que movem a formação continuada de docentes do ensino superior e suas práticas inclusivas: entrelaces entre Brasil e México. Vitória, Brasil: Universidade Federal do Espírito Santo. 2018.

DOURADO, L. Directives des programmes nationaux pour la formation initiale et continue des professionnels enseignants de l’education basique: Concep-tions et défis. Educacao e Sociedade, 36(131), p. 299–324, 2015.

FADIGAS, J. A institucionalização da licenciatura em química no Brasil. Sci-entia Naturalis, 1(3), 2019.

FERREIRA, A. Um olhar retrospectivo sobre a Pesquisa Brasileira em Forma-ção de Professores de Matemática. In: Fiorentin, D. Formação de professores de Matemática: Explorando Novos Caminhos com outros olhares. Campi-nas, Brasil: Mercado de Letras. 2003.

FURLAN BRIGHENTE, M.; MESQUIDA, P. Paulo Freire: da denúncia da edu-cação bancária ao anúncio de uma pedagogia libertadora. Pro-Posições, 27(1), p. 155–177, 2016.

GOIS, F., & LACERDA, M. A importância da inovação na docência universitá-ria. Revista Saberes da UNIJIPA, p. 12, 2019.

GOMES, C.; PALAZZO, J. Teaching career’s attraction and rejection factors: Analysis of students and graduates perceptions in teacher education pro-grams. Ensaio, 25(94), p. 90–113, 2017.

IMBERNÓN, F. Formação Permanente de Professores: Novas Tendências. São Paulo, Brasil: Cortez. 2009.

LARA, E.; LIMA, V.; MENDES, J.; RIBEIRO, E.; PADILHA, R. The teacher in active methodologies and the nuances between teaching and learning: Chal-lenges and possibilities. Interface: Communication, Health, Education, p. 23, 2019.

LOPES, J.; JUNIOR, L. Estudo e caracterização do pensamento docente es-pontâneo de ingressantes de um Curso de Licenciatura em Química. Ensaio Pesquisa Em Educação Em Ciências, 16 (1), p. 131-148, 2014.

MAGALHÃES, E. Estágio supervisionado e aprendizagens da docência. São Carlos, Brasil: Universidade Federal de São Carlos. 2009.

MALDANER, O. A formação inicial e continuada de professores de química professor/pesquisador (4a. ed). Ijuí, Brasil: UNIJUÍ. 2009.

MASSENA, E.; MONTEIRO, A. (2011). Concepções sobre currículo de for-madores de professores: o Curso de Licenciatura em Química do Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Quimica Nova, 34(8), p. 1476–1484. 2011.

MATIJASCIC, M. Professores da educação básica no brasil: condições de vida, inserção no mercado de trabalho e remuneração. Rio de Janeiro, Brasil: Ipea. 2017.

MARTINS, J.; SCHNETZLER, R. Formação de professores em educação am-biental crítica centrada na investigação-ação e na parceria colaborativa. Ciên-cia & Educação (Bauru), 24(3), p. 581–598, 2018.

MASSABNI, V. Os conflitos de licenciandos e o desenvolvimento profissional docente. Educacao e Pesquisa, 37(4), p. 793–808, 2011.

MELO, O. Produção de subjetividade e formação docente. São Paulo, Bra-sil: Universidade Presbiteriana Mackenzie. 2017.

MESQUITA, N.; SOARES, M. Tendências para o ensino de química: o caso da interdisciplinaridade nos projetos pedagógicos das Licenciaturas em Química em Goiás. Ensaio Pesquisa Em Educação Em Ciências (Belo Horizonte), 14(1), p. 241–255, 2012.

MILARÉ, T.; LOS WEINERT, P. Perfil e perspectivas de estudantes do curso de licenciatura em química da UEPG. Quimica Nova, 39, p. 522–529. 2012.

NÓVOA, A. Raffermir la position comme enseignant, affirmer la profession en-seignante. Cadernos de Pesquisa, 47(166), p. 1106–1133, 2017.

OLIVEIRA, A. Considerações acerca das políticas públicas de formação docente no Brasil e no Espírito Santo em perspectiva histórica. Espírito Santo, Brasil: Universidade Federal do Espírito Santo. 2017.

OSTERMANN, F.; CAVALCANTI, C. (2011). Teorias de Aprendizagem. Rio Grande do Sul, Brasil: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2011.

PEREIRA, S. Aprendizagem docente do professor orientador no estágio curricular supervisionado em cursos de licenciatura. Santa Maria, Brasil: Universidade Federal de Santa Maria. 2017.

PIAGET, J. A Epistemologia Genética. São Paulo, Brasil: Vozes. 1971.

PIMENTA, S. Formação de professores - saberes da docência e identidade do professor. R. Fac. Educ, 22(2), p. 72–89, 1996.

ROSA, M.; TOSTA, A. O lugar da química na escola: movimentos constitutivos da disciplina no cotidiano escolar. Ciência & Educação (Bauru), 11(2), 253–262, 2005.

SÁ, C. Construction of identities in a teacher training course in chemistry. Re-vista Brasileira de Educacao, 22(69), p. 315–338, 2017.

SANDRI, M.; SANTIN FILHO, O. Os modelos de abordagem da Química Verde no ensino de Química. Educación Química, 30(4), p. 34, 2019.

SANTOS, J. A formação no Curso de Licenciatura em Química UFG/Goiânia: A relação entre a formação e o trabalho docente. Goiania, Brasil: Universidade Federal de Goiás. 2017.

SAVIANI, D. Formação de professores: Aspectos históricos e teóricos do pro-blema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educacao, 14(40), p. 143–155, 2009.

SCHEIBE, L. Formação de professores no Brasil A herança histórica. Revista Retratos Da Escola, 2(2), p. 41–53, 2008.

TANURI, L. História da formação de professores. Revista Brasileira de Edu-cação, 14, p. 61–88, 2000.

TARDIF, M. Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis, Brasil: Vozes. 2012.

VASCONCELOS, C.; PRAIA, J.; ALMEIDA, L. Teorias de aprendizagem e o ensino/aprendizagem das ciências: da instrução à aprendizagem. Psicologia Escolar e Educacional, 7(1), p. 11–19, 2003.

Downloads

Publicado

2022-04-25

Como Citar

ALMEIDA , R. V. de . CONSIDERAÇÕES SOBRE FORMAÇÃO DO DOCENTE DE QUÍMICA: O PERFIL DO EGRESSO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA (UEPB). Revista Científica FESA, [S. l.], v. 1, n. 13, p. 112–137, 2022. DOI: 10.56069/2676-0428.2022.130. Disponível em: https://revistafesa.com/index.php/fesa/article/view/130. Acesso em: 16 maio. 2022.