POLÍTICA DE COTAS SOCIAIS EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR

PERSPECTIVAS GLOBAL, REGIONAL E LOCAL

Autores

  • Maria do Socorro Barbosa e Silva

DOI:

https://doi.org/10.56069/2676-0428.2022.133

Palavras-chave:

Ações Afirmativas, Cotas Sociais, Instituições Públicas De Ensino Superior.

Resumo

Entende-se por cotas, um modelo de política de ações afirmativas a fim de garantir menores desigualdades socioeconômicas e educacionais entre os membros pertencentes a uma sociedade, principalmente no que se refere ao ingresso em instituições públicas de ensino superior. As cotas sociais foram instauradas para minimizar a diferença de oportunidades entre os alunos da rede pública e da rede privada. Diante disso, este artigo buscou detalhar a política de cotas sociais sob as perspectivas global, regional e local. Destaca-se que, no Brasil, o Sistema de Cotas também foi instaurado através de ações afirmativas, as cotas em processos seletivos para ensino superior foram regulamentadas pela Lei 12.711/2012 que beneficia o acesso de estudantes da rede pública em Instituições de Ensino Superior Federais, com separação de vagas para candidatos de baixa renda, negros e índios. Portanto, fica evidente a relevância deste estudo para a comunidade acadêmico-científica.

Biografia do Autor

Maria do Socorro Barbosa e Silva

Universidade Estadual da Paraíba; Universidad Autonoma de Assunción

 

Referências

ANDRADE, R. Avaliação do processo de implementação das ações afir-mativas na Universidade Federal da Grande Dourados: o acesso da popu-lação negra no período de 2011 a 2013. Universidade Federal da Grande Dou-rados. 2015. http://repositorio.ufgd.edu.br/jspui/handle/prefix/1539

BASSO-POLETTO, D., EFROM, C., y RODRIGUES, M. Affirmative actions in post secondary education: Quantitative and qualitative literature review. Revis-ta Electronica Educare, 24(1), p. 292–325, 2020.

BAYMA, F. Reflexões sobre a Constitucionalidade das Cotas Raciais em Universidades Públicas no Brasil: Referências internacionais e os desafios pós-julgamento das cotas. Ensaio, 20(75), p. 325–346, 2012. https://doi.org/10.1590/S0104-40362012000200006

BELTRAMELLI-NETO, S. Exclusão social, regulação do trabalho e crise do sin-dicalismo nas perspectivas crítica e utópica de Boaventura de Sousa Santos. Revista Direito e Práxis, 11(3), p. 1815-1844, 2020.

CAMPO, V., y GIRALDO, J. Crédito educativo, acciones afirmativas y equidad social en la educación superior en Colombia. Revista de Estudios Sociales, 33, p. 106–117, 2009.

CARVALHO, M., y WALTENBERG, F., Desigualdade de oportunidades no acesso ao Ensino Superior no Brasil: Uma comparação entre 2003 e 2013. Economia Aplicada, 19(2), p. 369–396, 2015.

CASTRO, M., ARANDA, C., CASTRO, C., TORRES, H., LIZAMA, C., y WILLI-AMS, J. Sistematización de la implementación del sistema de ingreso prioritario de equidad educativa (excupo de equidad) en la carrera de Psicología de la Universidad de Chile 2010-2012. Calidad En La Educación, (40), p. 337–353, 2014. https://doi.org/10.4067/s0718-45652014000100012

COELHO, S. Política de ação afirmativa em cursos de pós-graduação da Uni-versidade de Brasília. Congresso Internacional de Humanidades. 2018.

DAFLON, V. Políticas de Reserva: o Modelo Indiano de Ação Afirmativa e suas Contribuições para o Debate Brasileiro. Porto Seguro. 2008.

DAFLON, V., JÚNIOR, J., y CAMPOS, L. Ações afirmativas raciais no ensino superior público brasileiro: um panorama analítico. Cadernos de Pesquisa, 43(148), p. 302–327, 2013. https://doi.org/10.1590/s0100-15742013000100015

DI CAUDO, M. Transformaciones universitarias y cupos en Ecuador: entre equidad, meritocracia y desarrollo. Nómadas, (44), p. 167-183, 2016.

FARIAS, C., ARAÚJO, G., COSTA, L., y CATÃO, M. Ações afirmativas e Polí-tica de Cotas de inclusão na Universidade Estadual da Paraíba: Um estudo de caso. Revista Dat@venia, 5(1), p. 50–85, 2013. http://revista.uepb.edu.br/index.php/datavenia/article/view/3502-10399-1/1941

FAVATO, M.; y RUIZ, M. REUNI: política para a democratização da educação superior? Revista Eletrônica de Educação, 12(2), p. 448–463, 2018. https://doi.org/10.14244/198271992365

FLORES, R., y MONROY, G. Políticas compensatorias para la equidad de la educación superior en Argentina, Bolivia y Venezuela. Revista de La Educa-ción Superior, p. 38(152), 2009. http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0185-27602009000400003&lng=es&tlng=es

GIL-LLAMBÍAS, F., MARTIN, R., JORQUERA, M., y VEGA, C. Caracterización y Desempeño Académico de Estudiantes de Acceso Inclusivo PACE en Tres Universidades Chilenas. Revista Latinoamericana de Educación Inclusiva, 13(2), p. 259–271, 2019. https://doi.org/10.4067/s0718-73782019000200259

GUARNIERI, F., y MELO-SILVA, L. Cotas Universitárias no Brasil: Análise de uma década de produção científica. Psicologia Escolar e Educacional, 21(2), p. 183–193, 2017. https://doi.org/10.1590/2175-3539201702121100

HOED, R. Análise da evasão em cursos superiores: o caso da evasão em cursos superiores da área de Computação. Universidade de Brasília. 2016.

HOMERCHER, P. Pensamentos contra-hegemônicos e movimentos eman-cipatórios na América do Sul: prolegômenos de uma democracia descoloni-zante. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande Do Sul. 2014.

KERN, M., y ZILIOTTO, D. Universidade Pública e Inclusão Social: As Cotas para Autodeclarados Negros na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 16(59), 2011. https://doi.org/10.12660/cgpc.v16n59.3752

LEMOS, I. Narrativas de cotistas raciais sobre suas experiências na universi-dade. Revista Brasileira de Educação, 22(71), 2017. https://doi.org/10.1590/s1413-24782017227161

LENTA, R. (2019). ¿Qué hay tras la permanencia universitaria? Los cambios más significativos en el acompañamiento académico. Educação e Pesquisa, 45, 2019. https://doi.org/10.1590/s1678-4634201945190724

MAGALHÃES, W. A “lei do boi” como estratégia da burguesia rural: o caso da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1968-1985). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 2015

MELLO E SOUZA, A. Desempenho dos candidatos no vestibular e o sistema de cotas na UERJ. Ensaio, 20(77), p. 701–724, 2012. https://doi.org/10.1590/s0104-40362012000400005

MENDES-JUNIOR, A. Uma análise da progressão dos alunos cotistas sob a primeira ação afirmativa Brasileira no ensino superior: O caso da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Ensaio, 22(82), p. 31–56, 2014. https://doi.org/10.1590/S0104-40362014000100003

OLIVEN, A. Projeto 500: desafios da inclusão de estudantes negros numa uni-versidade pública de pesquisa nos Estados Unidos, 1968-2018, 2020. Pro-Posições, 31. https://doi.org/10.1590/1980-6248-2018-0033

OTTONELLI, J., y Mariano, J. Pobreza multidimensional nos municípios da Re-gião Nordeste. Revista de Administracao Pública, 48(5), p. 1253–1280, 2014. https://doi.org/10.1590/0034-76121724

PAZICH, L. Action positive dans l’enseignement supérieur: Le cas du Kerala en Inde. Educacão e Sociedade, 36(130), p. 139–159, 2015. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015139909

PEIXOTO, A., RIBEIRO, E., BASTOS, A., y RAMALHO, M. Cotas e desempe-nho acadêmico na UFBA: um estudo a partir dos coeficientes de rendimento. Avaliação: Revista Da Avaliação Da Educação Superior (Campinas), 21(2), p. 569–592, 2016. https://doi.org/10.1590/s1414-40772016000200013

PIZZIO, A. Desqualificação e qualificação social: uma análise teórico conceitu-al. Revista Mal Estar e Subjetividade, 9(1), p. 209-232, 2009.

REIS, N. Retratos da nova pobreza. Instituto Sociologia Working Paper. 2016.

SILVA, M. Pobreza, desigualdade e políticas públicas: caracterizando e pro-blematizando a realidade brasileira. Rev. Karál, 13(2), p. 155–163, 2010.

SLATER, J. The ethical demise of the political policy of affirmative action as a motive for enhancing women and education in South Africa: A double setback of a reverse strategy. Studia Historiae Ecclesiasticae, 40(1), 2014. http://www.scielo.org.za/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1017-04992014000200019&lang=pt

SOUSA, I. Escolas ao Povo: experiências de escolarização de pobres na Ba-hia - 1870 a 1890. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2006.

SOUSA, O. As Ações Afirmativas como instrumento de concretização da Igualdade Material. Universidade Federal do Paraná.2006.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. STF confirma validade de sistema de co-tas em universidade pública. Notícias STF. 2012. http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=207003

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. STF julga constitucional política de co-tas da UnB. 2012.Notícias STF. http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=206042&caixaBusca=N

TERRA, R., CARRARO, G., y FERREIRA, M. As políticas públicas de inclusão ao ensino superior: uma análise do contexto brasileiro nos últimos 20 anos. Seqüência: Estudos Jurídicos e Políticos, 42(83), p. 142–159, 2020. https://doi.org/10.5007/2177-7055.2019v41n83p142

TRONCO, G., y RAMOS, M. Linhas de pobreza no Plano Brasil Sem Miséria: Análise crítica e proposta de alternativas para a medição da pobreza conforme metodologia de Sonia Rocha. Revista de Administração Pública, 51(2), p. 294–311, 2016. https://doi.org/10.1590/0034-7612162786

VENTURINI, A. Formulação e implementação da ação afirmativa para pós-graduação do Museu Nacional. Cadernos de Pesquisa, 47, p.1292–1313, 2017. https://doi.org/10.1590/198053144438

VENTURINI, A. Ações Afirmativas nos Programas de Pós-graduação Aca-dêmicos de Universidades Públicas. GEMAA. 2017. http://gemaa.iesp.uerj.br

WEISSKOPF, T. Impact of Reservation on Admissions to Higher Education in India. Econommic and Political Weekkly, 39(39), 2004. https://doi.org/10.2307/4415591

Downloads

Publicado

2022-04-25

Como Citar

SILVA, M. do S. B. e . POLÍTICA DE COTAS SOCIAIS EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR: PERSPECTIVAS GLOBAL, REGIONAL E LOCAL. Revista Científica FESA, [S. l.], v. 1, n. 13, p. 170–189, 2022. DOI: 10.56069/2676-0428.2022.133. Disponível em: https://revistafesa.com/index.php/fesa/article/view/133. Acesso em: 16 maio. 2022.