SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS DE CULTURA PRESTADOS PELA ESTAÇÃO ARQUEOLÓGICA DE MANYIKENI

Autores

  • Hélio Geraldo Ubisse
  • Célia Marília da Conceição
  • Mateus Jacob

DOI:

https://doi.org/10.56069/2676-0428.2022.152

Palavras-chave:

Amuralhado de Manyikeni, Serviços ecossistémicos de Cultura, CICES.

Resumo

As áreas de conservação proporcionam vários Serviços Ecossistêmicos (SE) necessários para a manutenção das comunidades humanas que habitam em seu torno ou não. Este trabalho foi realizado na estação arqueológica de Manyikeni, com enfoque no ecossistema de floresta que apresenta condições físicas diferentes, com o objectivo de compreender os serviços ecossistémicos de cultura prestados pelo ambiente local, constituído por uma paisagem artificial e natural. Para a compressão do contributo dos SE, foi aplicada a classificação CICES (Common International Standard for Ecosystem Services), onde apurou-se que a Estacão Arqueológica de Manyikeni desempenha um papel importante para as comunidades locais, estudantes, pesquisadores e turistas que se beneficiam.

Biografia do Autor

Hélio Geraldo Ubisse

Mestre  em Ambiente e Desenvolvimento Sustentável das Comunidades na Universidade Save- Extensão de Massinga; Técnico de Demografia no Instituto Nacional de Estatística- Delegação de Inhambane.

Célia Marília da Conceição

Mestranda em População e Desenvolvimento na Universidade Eduardo Mondlane; Técnica de Demografia no Instituto Nacional de Estatística- Delegação de Inhambane

Mateus Jacob

Mestre em Ambiente e Desenvolvimento Sustentável das Comunidades na Universidade Save- Extensão de Massinga.

Referências

ANDRADE, D. C. Modelagem e valoração de Serviços Ecossistémicos: uma contribuição da economia ecológica. 2010. 268 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Económico Espaço e Meio Ambiente) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2010.

ANDRADE, D.C, ROMEIRO, A.R., Serviços ecossistémicos e sua importância para o sistema económico e o bem-estar humano. Texto para Discussão n. 155, Instituto de Economia – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), SP. 2009.

ANDRADE, D.C., FASIABEN, M.R. A utilização dos instrumentos de política ambiental para a preservação do meio ambiente: O caso dos pagamentos por serviços ecossistémicos. VIII encontro da sociedade brasileira de economia ecológica 5 a 7 de Agosto de 2009. Cuiabá - Mato Grosso – Brasil, 2009.

ARAÚJO. I.S. Identificação e valoração de serviços ecossistémicos no parque das dunas, natal – RN. Dissertação (Mestrado em Geografia, Dinâmica Sócio-ambiental e Reestruturação do Território.) Universidade Federal do Rio Grande do Norte. NATAL – RN. 2018.

ERNESTO, K.M. O lugar Central em Manyikeni: Leitura sobre o amuralhado e a periferia. UEM/DAA. 2019.

GARLAKE, P.S. “An Investigation of Manekwene, Mozambique: Archaelogy África”. Azania. 1976 11, p. 25-48, 1997.

JAIROSSE, V.F. A dualidade das construções no Zimbabwe de Manyikeni: as casas De dhaka e o amuralhado de pedra. Monografia (Licenciatura em Arqueologia e Gestão do Património Cultural) Universidade Eduardo Mondlane, Maputo. 2021.

MACAMO, S. “Privileged Places in South Central Mozambique: The Ar-chaeology of Manyikeni, Niamara, Songo and Degue-Mufa”. Maputo: Depart-ment of Archaeology and Anthropology, Eduardo Mondlane University. Uppsala: Department of Archaeology and Ancient History, Uppsala University. 2006.

MACAMO, S. Manual de Pré-História. Dissertação de Mestrado. Maputo: Universidade Eduardo Mondlane. 2009.

MEA - Relatório-Síntese da Avaliação Ecossistémica do Milénio. 2005. Disponível em: http://www.millenniumassessment.org/documents/document.446.aspx.pdf . Acesso em: 20 Jun. 2021.

RABELO, M. S. A cegueira do óbvio: a importância dos serviços ecossistémicos na mensuração do bem-estar. 2014. Tese (Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, 2014.

RIBEIRO, M. O Contributo da Arquitectura Tradicional para uma Habitação “Informal” Sustentável em Moçambique”. ISCTE-IUL/Departamento de Arquitectura e Urbanismo. 2015.

TAMELE, C. J. Níveis de Diferenciação social em Manyikeni, nos meados do II milenio AD. DAA/UEM. 2019

Downloads

Publicado

2022-06-15

Como Citar

UBISSE, H. G.; CONCEIÇÃO, C. M. da .; JACOB, M. . SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS DE CULTURA PRESTADOS PELA ESTAÇÃO ARQUEOLÓGICA DE MANYIKENI. Revista Científica FESA, [S. l.], v. 1, n. 15, p. 3–14, 2022. DOI: 10.56069/2676-0428.2022.152. Disponível em: https://revistafesa.com/index.php/fesa/article/view/152. Acesso em: 8 ago. 2022.