O IDOSO E AS NOVAS TECNOLOGIAS

A EDUCAÇÃO NÃO TEM IDADE

Autores

  • Maria de Fátima Ferreira Nóbrega

DOI:

https://doi.org/10.56069/2676-0428.2022.178

Palavras-chave:

Idoso, Novas Tecnologias, Educação.

Resumo

A sociedade moderna oferece uma visão das possibilidades oferecidas pelas novas tecnologias de informação e comunicação para a aprendizagem, especificamente para seu uso pelos idosos, entendendo que não são meios de uso e usufruto exclusivo dos jovens, como se tem pensado em diferentes instâncias. Nesse contexto inclusivo, cabe levar em conta que há um número crescente de idosos que decidem responder a perguntas ou ambições, que por algum motivo não puderam ser resolvidas em momentos anteriores de suas vidas. Por essas razões, este artigo busca compreender o universo do idoso inserido nas novas tecnologias, considerando que educação não deve ter idade. Espera-se, com este estudo, trazer à baila científica o debate desse tema de relevância geral, tendo em vista que a terceira idade é um futuro almejado por todos.

Biografia do Autor

Maria de Fátima Ferreira Nóbrega

possui graduação em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Regional do Nordeste (URNE) em 1978,

Especialização em Análises Clínicas pela Universidade Estadual da Paraíba em 1995, Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) em 2002, atualmente é professora de Parasitologia Mestre D do Departamento de Farmácia da Universidade Estadual da Paraíba e Chefe Adjunta do Departamento. Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Parasitologia Humana, atuando principalmente nos seguintes temas: prevalência, helmintos, relações humanas e protozoários.

Referências

ACIOLI, C. G. A educação na sociedade de informação e o dever fundamental estatal de inclusão digital. (Tese de doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS, Porto Alegre, RS. 2015.

ALMÊDA, K. A. O envelhecimento humano e a inclusão digital: análise do uso das ferramentas tecnológicas pelos idosos e a importância do desenvolvimento da competência informacional na terceira idade. (Trabalho de Conclusão de Curso ). Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN, Natal, RN, Brasil. 2016.

ALVES, R. Conversas sobre educação (12ª ed). Campinas, SP: Verus Edito-ra. 2015.

AQUINO, M. A. A problemática dos indivíduos, suas lutas e conflitos no turbilhão da informação. Perspectivas em Ciências da Informação, 12(2), 202-221. 2007.

BECKER, M. L. Inclusão digital e cidadania: as possibilidades e as ilusões da solução tecnológica. Ponta Grossa, UEPG. 2009.

BERTI, K. M. Educação para o envelhecimento: um projeto intergeracional desenvolvido por idosos com crianças e adolescentes nas escolas de Porto Alegre. In: Terra, N. L., Bós, Â. J. G.; Castilhos, N. (Orgs). Temas sobre envelhecimento ativo. Porto Alegre: Edipucrs. 2013.

BONILLA, M. H. S.; PRETTO, N. D. L. orgs Inclusão digital: polêmica contemporânea [online]. Salvador: EDUFBA. 2011.

BRASIL. Senado Federal. Lei de diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9394/96. Brasília. 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS. Sistema de Informação da Atenção Básica- Índice de Envelhecimento. DATASUS. Recuperado de http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php. 2012.

BRITO, F. C. A transição demográfica no Brasil: as possibilidades e os desafios para a economia e a sociedade. Belo Horizonte. UFMG/Cedeplar. 2007.

CAMARANO, A. A. Envelhecimento da população brasileira: uma contri-buição demográfica. Textos para discussão do Instituto de Pesquisa Eco-nômica Aplicada (IPEA). Brasília, nº 858, p.1-26, jan. Recuperado de http://www.ipea.gov.br. 2002.

CARVALHO, J. A. M.; GARCIA, R. A. O envelhecimento da população brasilei-ra: um enfoque demográfico. Cad. Saúde Pública, 9(3), 725-733. 2003.

CARVALHO FILHO, E. T.; PAPALÉO NETTO, M. Geriatria: fundamentos, clínica e terapêutica. 2ª ed. São Paulo: Atheneu. 2006.

COOMBS, P. H., PROSSER, R.; MANZOOR, M. New paths to learning for rural children and youth. New York: International Council for Education Development. 1973.

CORTELLETTI, I. A., CASARA, M. B.; HERÉDIA, V. B. M. Apresentação da segunda edição. In: Cortelletti, I. A., Casara, M. B., & Herédia, V. B. M. (2010) (Orgs.). Idoso asilado: um estudo gerontológico. 2. ed. Porto Alegre: Edipu-crs. 2010.

COSTA, R. H. Notas sobre a Educação formal, não-formal e informal. Anais do Simposio Brasileiro de Pós-Graduandos em Música, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 3(3). 2015.

DOLL, J. Educação o e envelhecimento ñ fundamentos e perspectivas. A Ter-ceira Idade: Estudos sobre Envelhecimento, São Paulo, 19(43), 7- 26. 2008.

EDUCA. Nunca é Tarde para Aprender. Inclusão digital para idosos: Projetos diminuem distância para a tecnologia. Recuperado de http://www.oieduca.com.br/artigos/nunca-etarde-para-aprender/inclusao-digital-para-idosos.html. 2014.

EMMEL, M. L. G., PAGANELLI, L. O.; VALIO, G. T. Uso do tempo de um gru-po de idosos do município de São Carlos (SP), Brasil. Revista Kairós: Geron-tologia, 18(2), 421-442. 2015.

FERNANDES, S. I. D. Estimulação cognitiva em idosos institucionalizados. (Dissertação de Mestrado). Instituto Politécnico de Bragança, Bragança, Portugal. 2014.

FERREIRA, C. L., MATA, A. N. S., SANTOS, L. M. O., MAIA, R. S.; MAIA, E. M. C. (2010). Velhice e projetos de vida: estudo com idosos residentes no município de Natal/RN, Brasil. Estudo Interdisciplinar Sobre o Envelhecimento, Porto Alegre, 15(2), 165-175. 2010.

FREITAS, E. V., PY, L., CANÇADO, F. X. A., DOLL, J.; GORZONI, M. L. Tra-tado de geriatria e gerontologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2006.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia- saberes necessários à prática edu-cativa. São Paulo: Paz e terra. 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 50. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2011.

GADOTTI, M. A questão da educação formal/não formal. Droit aà l’education: solution à tous les problèmes sans solution? Institut Internac-ional des droit de l’anfant, Sion, Suisse. 2005.

GADOTTI, M. Educação popular e educação ao longo da vida. Documento para a CONFITEA, São Paulo, SP, Brasil, 6. 2016.

GANDRA, T. K. Inclusão digital na Terceira Idade: um estudo de usuários sob a perspectiva fenomenológica. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG, Belo Horizonte, MG, Brasil. 2012.

GARCIA, H. D. A Terceira Idade e a Internet: uma questão para o novo milênio. (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual Paulista-UNESP, Marília, SP, Brasil. 2001.

GONÇALVES, V. P. Um estudo sobre o design, a implementação e a avaliação de interfaces flexíveis para idosos em telefones celulares. (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo-USP, São Carlos, SP, Brasil. 2012.

KÜCHEMANN, B. A. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Sociedade e Estado, 27(1), 165-180. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922012000100010. 2012.

LA BELLE, T. J. Formal, nonformal and informal education: a holistic perspec-tive on lifelong education. International Review of Education., 28(2), 159-175. 1982.

MASCARO, S. A. O que é velhice. São Paulo: Brasiliense. 2004.

MASSENSINI, R. R. L. S. Inclusão digital: sob a ótica da cidadania plena. Data Grama Zero, 12 (2). Recuperado de http://www.brapci.inf.br/index.php/article/download/16277. 2011.

MEIRELES, V. C., MATSUDA, L. M., COIMBRA, J. A. H.; MATHIAS, T. A. F. Características dos idosos em área de abrangência do Programa Saúde da Família na região noroeste do Paraná: contribuições para a gestão do cuidado em enfermagem. Saúde e Sociedade, São Paulo, 16(1), 69-80. 2007.

MELO, S. F. M. Comunicação e organizações na sociedade em rede: Novas tensões, mediações e paradigmas. (Dissertação de mestrado). Universidade de São de Paulo, USP, São Paulo, SP, Brasil. 2010.

MERCADANTE, E. Comunidade como um novo arranjo social. Rev. Kairós, 5(2), 17-34. 2002.

MIRANDA, S. R. C. L., BATISTA, T. C. S.; TOSCHI, M. S. As Dificuldades e Facilidades dos Idosos com as Tecnologias da Informação e Comunicação. Anais da Semana de Integração do Câmpus de Inhumas, Anápolis, GO, Brasil. 2015.

NERI, A. L.; FREIRE, S. A. (Orgs.). E por falar em boa velhice. Campinas: Papirus. 2000.

NOGUEIRA, N. P. Inclusão Digital do Idoso. Anais do XIX Simpósio brasileiro de informática na educação, Fortaleza, CE, Brasil., 20. 2008.

OLIVEIRA, C., MOURA, S. P.; SOUSA, E. R. TIC’S na educação: a utilização das tecnologias da informação e comunicação na aprendizagem do aluno. Periódicos Puc Minas, 7(1), 75-94. 2015.

ONU - Organização das Nações Unidas. World Population Prospects. The 2015 Revision – Key Findings and Advance Tables. Nova York: ONU. 2015.

ONU - Organização das Nações Unidas - ONU. Informe de la Segunda Asamblea Mundial sobre el envejecimiento. Madrid (España). Recuperado em 13/05/2017, de: <http://www.un.org/spanish/envejecimiento/index.html>. 2002.

PASSOS, R.; SANTOS, G. C. Em tempos de globalização e mudança: a identificação da cidadania na sociedade de informação. Transinformação, 17(1), 7-16. 2005. Recuperado em https://dx.doi.org/10.1590/S0103-37862005000100001.

PASSERINO, L. M.; PASQUALOTTI, P. R. A inclusão digital como prática social: uma visão sóciohistórica da apropriação tecnológica em idosos. In: Portella, Marilene Rodrigues; Pasqualotti, Adriano & Gaglietti, Mauro (orgs.). Envelhecimento humano: saberes e fazeres. Passo Fundo: UPF, 246-260. 2006.

PETERSON, D. A. A history of the education of older learning. In R.H. Sherrom & D.B. Lumsden (ed.). Introduction to Educational Gerontology. New York: Hemisphere. 1990.

PHILLIPS, J., AJROUCH, K.; HILLCOAT-NALLETAMBY, S. Key Concepts in Social Gerontology. Londres : SAGE Publications Ltd. 2010.

QUADRA, G. R.; D’ÁVILA, S. Educação não-formal: Qual a sua importância? Revista Brasileira de Zoociências, 7(2), 22-27. 2016.

SANTOS, J. S.; BARROS, M. D. A. Idosos do Município do Recife, Estado de Pernambuco, Brasil: uma análise da morbimortalidade hospitalar. Epidemiol Serv Saúde,17(3), 177-186. 2008.

SANTOS, J. O., LUZ, V. C.; PAGOTTO, E. L. Resgate da autoestima na terceira idade por meio da inclusão digital. Revista Ciencias Exatas e Tecnologia, 7(7), 107-121. 2012.

SANTOS, J. B.; PESCE, L. Inclusão digital, empoderamento e educação ao longo da vida: conceitos em disputa no campo da Educação de Jovens e Adultos. Crítica Educativa, 3(3), 185-199. 2018.

SILVA, L. M. Envelhecimento e qualidade de vida para idosos: um estudo de representações sociais. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal da Paraíba-UFPB, João Pessoa, PB, Brasil. 2011.

SIMIONE, A. A. A modernização da gestão e a governança no setor público em Moçambique. Universidade Pedagógica de Moçambique. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, 48(3), 551-570. 2014.

SOUZA, D. Serviço Social na Terceira Idade: Uma Práxis Profissional. Belém: Editora UFPA. 2003.

VECCHIA, R. D. RUIZ, T., BOCHI, S. C.m.; CORRENTE, J. E. Qualidade de vida na terceira idade: um conceito subjetivo. Revista Brasileira de Epidemiologia, 8(3), 246-252. 2005.

VELOZ, M. C., NASCIMENTO-SCHULZE, C. M.; CAMARGO. B. V. Representações sociais do envelhecimento. Psicologia, Reflexão e Crítica, 12(2), 479-501. 1999.

ZIMERMAN, G. I. Velhice, aspectos biopsicossociais. Porto Alegre: Artemed Editora. 2000.

Downloads

Publicado

2022-08-23

Como Citar

NÓBREGA, M. de F. F. O IDOSO E AS NOVAS TECNOLOGIAS: A EDUCAÇÃO NÃO TEM IDADE. Revista Científica FESA, [S. l.], v. 1, n. 17, p. 77–100, 2022. DOI: 10.56069/2676-0428.2022.178. Disponível em: https://revistafesa.com/index.php/fesa/article/view/178. Acesso em: 28 set. 2022.