A TUBERCULOSE HUMANA NO ESTADO DO PARÁ

Autores

  • Cícero Pereira Batista

DOI:

https://doi.org/10.29327/232022.1.4-4

Palavras-chave:

Tuberculose, Tratamento, Prevenção, Saúde, Pará.

Resumo

Como parte do esforço global para redução do coeficiente de incidência e mortalidade, o Ministério da Saúde, por meio da Coordenação-Geral do Programa Nacional de Controle da Tuberculose (CGPNCT), decidiu elaborar um plano nacional com o objetivo de acabar com a tuberculose como problema de saúde pública no Brasil, atingindo a meta de menos de dez casos por 100 mil habitantes até o ano de 2035. Desse modo, o presente artigo tem o escopo principal de descrever a epidemiologia da tuberculose humana no estado do Pará com o enfoque nas cidades de Belém, Ananindeua e Paragominas. Esse estudo justifica-se em face do avanço de casos da doença nesse estado brasileiro, ainda que haja tratamento gratuito eficaz voltado à prevenção e à cura. A fim de atender aos preceitos metodológicos de qualquer investigação, elegeu-se a pesquisa bibliográfica para a composição do presente corpus. Espera-se com esse estudo dar visibilidade a região do estado do Pará no que tange ao combate e à prevenção do contágio do mycobacterium tuberculosis em especial nas cidades de Belém, Ananindeua e Paragominas.

Biografia do Autor

Cícero Pereira Batista

Especialização em Psiquiatria em andamento, Centro Brasileiro de Pós-Graduação (Cenbrap). Pós-graduando em Saúde Mental pela Faculdades Integradas (AVM). Possui graduação em Medicina - Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central (2014). Atualmente é médico clínico geral - Secretaria de Saúde Planaltina de Goiás e médico clínico geral - Secretaria de Saúde Águas Lindas. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Medicina Familiar.

Referências

BIERRENBACH, A. L. Incidência da tuberculose e da taxa de cura, Brasil, 2000 a 2004. Revista de Saúde Pública n, 41, v.1, p. 24-33. 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. Tuberculose; p. 12-3.

BRASIL. Coeficiente de Incidência de Tuberculose – Caso Novo- Todas as Formas. Secretaria Estadual de Saúde do Estado do Pará. Belém-PA 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Tuberculose na atenção primária à saúde. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. 131 p.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Situação da tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. n.9, v. 45, p. 1-5, 2015.

BRITO, M. L; SANTANA, Z. R. D; MAIA, R. et al. Qualidade das Baciloscopias de escarro realizada em unidades laboratoriais no município de Belém Pará. Jornal brasileiro de Pneumologia, Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. Brasília – DF, 2008. Cad. saúde colet. n.3, v.15, p. 417-424. Rio de Janeiro, 2008.

CAMPOS H. S. Etiopatogenia da tuberculose e formas clínicas. Pulmão RJ. n.1, v. 15, p. 29-35. Rio de Janeiro, 2006.

CARVALHO, Daniel; CARNEIRO, Rafael; MARTINS, Helen Fernanda Alves; SARTORATO, Eduardo. Pesquisa Bibliográfica. Goiânia, 16 jun. 2004. Disponível em: http://pesquisabibliografica.blogspot.com.br. Acesso em 24 de novembro de 2020.

CHAIMOWICZ F, MIRANDA S.S. Tuberculose pulmonar. In: Freitas EV, Py L, Nery AL, Cançado FAXC, Gorzoni ML, Doll J. Tratado de geriatria e gerontologia. 3ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011. p. 644-56.

CHAVES, E. C. Aspectos epidemiológicos, clínicos e evolutivos da tuberculose em idosos de um hospital universitário em Belém, Pará. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. n. 1, v. 20, p. 47-58. Rio de Janeiro, 2017.

DIAS, J. R. P. et al. Análise do perfil clínico-epidemiológico dos idosos portadores de hipertensão arterial sistêmica nas microáreas 4, 6 e 7 da USF Tenoné. Brazilian Journal of Health Review, v. 2, p. 2-41. São Paulo, 2019.

GONÇALVES, A. F. Perfil Epidemiológico de Casos de Tuberculose no Município de Paragominas-PA. Revista Saúde e Meio Ambiente – RESMA, Três Lagoas, v. 9, n.2, pp. 34-48, Agosto∕Dezembro. 2019.

FARIAS, S. N. P. et al. Integralidade no cuidado: estudo da qualidade de vida dos usuários com tuberculose. Esc. Anna Nery Rev. Enferm, p. 749-754, 2013.

FREITAS, W. M. T. M. et. al. Perfil clínico-epidemiológico de pacientes portadores de tuberculose atendidos em uma unidade municipal de saúde de Belém, Estado do Pará, Brasil. Rev Pan-Amaz Saúde. n. 2, v. 7, p. 45-50. Belém, 2016.

HINO P. A ocorrência da tuberculose em um distrito administrativo do município de São Paulo. Esc. Anna Nery (impr.). n. 1, v. 17, p. 153-159, São Paulo, 2013.

LEÃO, R. N.Q. Medicina Tropical e Infectologia na Amazônia. Editora Samauma, v. 2, p. 1101-1138, 2013.

LIMA, S. S. Epidemiologia Espacial da Tuberculose em Belém do Pará. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Pará. Belém, 2014.

LIMA, S. S. et. al. Análise espacial da tuberculose em Belém, estado do Pará, Brasil. Rev Pan-Amaz Saúde. n. 2, v. 8, p. 57-65. Belém, 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde − Ministério da Saúde Volume 47 N° 13 - 2016 ISSN 2358-9450 - https://www.saude.gov.br/images/pdf/2016/marco/24/2016-009-Tuberculose-001.pdf.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Gabinete do Ministro. Secretaria de Vigilância em Saúde. Situação epidemiológica da tuberculose nos estados-partes e associados do Mercosul 2009 a 2013 = Situación Epidemiológica de la Tuberculosis en los Estados Partes y Asociados del Mercosur 2009 a 2013. Editora MS. 2015. http://www.riocomsaude.rj.gov.br/Publico/MostrarArquivo.aspx?C=Qlc8jVAKFFQ%3D acesso em 05 de março de 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Estabelece procedimentos para elaboração, implementação e acompanhamento da Programação Pactuada e Integrada de Vigilância em Saúde – PPI-VS. Disponível em: https://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2016/junho/24/2.b%20Inst.Normativa%20PPI%20VS.pdf. Acesso em: 06 de maio de 2020.

OLIVEIRA, H. B., MOREIRA-FILHO, D. C. Abandono de tratamento e recidiva da tuberculose: aspectos de episódios prévios, Campinas, SP, Brasil, 1993-1994. Revista de Saúde Pública. n.5, v. 34, p. 437-443, São Paulo, 2000.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Global tuberculosis report, 2013. Geneva: WHO; 2013.

PEREIRA, L. F. S. et. al. Epidemiologia da tuberculose no estado do Pará. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 2, n. 2, p. 800-808, mar./apr. 2019.

PINHEIRO et al. Subnotificação da tuberculose no Sistema de Informação de Agravos e notificação (SINAN): abandono primário de bacilíferose captação de casos em outras fontes de informação usando linkage probabilístico. Caderno de Saúde Pública, v. 28, p. 1559-1568, 2012

RIBEIRO, W. A. Tuberculose: Um Perfil Epidemiológico dos Municípios de Belém e Ananindeua-PA No Período de 2006 a 2008. v. 25, n. 1. Belém, 2011.

SANTOS, B. O. et. al. Análise espaço-temporal da incidência de tuberculose na atenção primária. Santos et al. Pará Res Med J. n. 2, v. 1, 2017.

VENDRAMINI S. H. F. et. al. Tuberculose em município de porte médio do sudeste do Brasil: indicadores de morbidade e mortalidade, de 1985 a 2003. J Bras Pneumol. n. 3, v. 31, p. 237-243, 2005.

XAVIER, M. I. M., BARRETO, M. L. Tuberculose na cidade de Salvador, Bahia, Brasil: o perfil na década de 1990. Caderno de Saúde Pública. n.2, v. 23, p. 445-453, 2007.

Downloads

Publicado

2021-05-27

Como Citar

BATISTA, C. P. A TUBERCULOSE HUMANA NO ESTADO DO PARÁ. Revista Científica FESA, [S. l.], v. 1, n. 4, p. 52–80, 2021. DOI: 10.29327/232022.1.4-4. Disponível em: https://revistafesa.com/index.php/fesa/article/view/37. Acesso em: 5 dez. 2022.