ACESSIBILIDADE EM MUSEUS PARA DEFICIENTES VISUAIS E NEUROLÓGICOS –

RELATO DE EXPERIÊNCIADE VISITA AO MASP

Autores

  • Rodrigo Guimarães Motta Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.29327/232022.1.9-6

Palavras-chave:

Museus, Portadores de deficiência, Relato de experiência

Resumo

Este é um relato de experiência de um portador de deficiência visual e neurológica (deficiências essas não aparentes) sobre sua visita a um dos mais tradicionais museus brasileiros, o Museu de Arte de São Paulo (MASP). A partir desta experiência, pode-se observar que mesmo um museu conceituado como o MASP não apresenta o preparo necessário – tanto em aspectos físicos quanto no que se refere ao treinamento de seus colaboradores – para oferecer uma experiência adequada para o portador de deficiência em geral e para o portador da deficiência descrita no relato em específico. No estudo realizado, essa lacuna identificada é parcialmente coberta pela boa vontade e pela iniciativa dos próprios colaboradores do espaço. Assim, com base nas conclusões obtidas, recomenda-se que este artigo seja complementado por outras pesquisas em museus do Brasil e que, a partir de um diagnóstico robusto, sejam pensadas políticas museológicas que permitam aos portadores de deficiência participarem integralmente da visita aos museus.

Biografia do Autor

Rodrigo Guimarães Motta, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutor e mestre em Administração pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e bacharel em Administração Pública pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (EAESP-FGV). Atualmente é diretor do Instituto Germinare.

Referências

BALTAZAR, A. Patrimônio cultural: técnicas de arquivamento e introdução à museologia. Batatais: Claretiano, 2014.

KASTRUP, V. Experiência estética para uma aprendizagem inventiva: notas sobre a acessibilidade de pessoas cegas a museus. Informática na educação: teoria e prática, Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 38-45, 2010.

KIRST, A. C. As aprendizagens do público com deficiência visual: uma experiência de diálogo com a arte contemporânea. 2010. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, 2010.

MARINHEIRO, C. A.; SANCHES, E. L.; ARCHANJO, R. M. Metodologia da pesquisa científica. Batatais: Claretiano, 2015.

MARTINS, P. R. A inclusão social tem influência nas práticas museais? O acesso dos públicos com deficiência. Midas, Évora, v. 2, p. 1-11, 2013.

ROCHA, N. J. S. Acessibilidade aos museus: um caminho para a inclusão social. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Lisboa, Lisboa, 2015.

SARRAF, V. Homepage. Museus acessíveis, São Paulo, [2021]. Disponível em: http://www.museusacessiveis.com.br/. Acesso em: 29 out. 2021.

VLACHOU, M.; ALVES, F. Acessibilidade em museus. In: BARRIGA, S.; SILVA, S. G. (Orgs.). Serviços Educativos na Cultura. Coleção Públicos nº 2. Porto: Setepés, 2007. p. 98-102.

Downloads

Publicado

2021-11-12

Como Citar

MOTTA, R. G. ACESSIBILIDADE EM MUSEUS PARA DEFICIENTES VISUAIS E NEUROLÓGICOS – : RELATO DE EXPERIÊNCIADE VISITA AO MASP. Revista Científica FESA, [S. l.], v. 1, n. 9, p. 91–99, 2021. DOI: 10.29327/232022.1.9-6. Disponível em: https://revistafesa.com/index.php/fesa/article/view/89. Acesso em: 5 dez. 2022.