ASPECTOS FORMATIVOS DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO PARA O ATENDIMENTO DO ALUNO COM AUTISMO

Autores

  • Edilene Purificação Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.29327/232022.1.9-2

Palavras-chave:

Autismo, Profissional de Educação, Aspectos Formativos.

Resumo

A temática do aluno com TEA e o seu atendimento adequado, no que diz respeito à inclusão, traz inúmeros desafios ao profissional de educação que pode ampliar o seu conhecimento na área por meio de efetiva formação na perspectiva da inclusão escolar. Nesse sentido, urge a necessidade de que todos os envolvidos na educação compreendam e aceitam a diversidade humana, podendo contribuir na construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Tendo esse contexto como força motriz investigativa, que o presente artigo bibliográfico tem a meta de caracterizar os aspectos formativos do profissional de educação para o atendimento do aluno com autismo. Desse modo, espera-se que novas percepções, posturas docentes e políticas públicas possam convergir em prol do adequado atendimento do aluno com autismo.

Biografia do Autor

Edilene Purificação Oliveira

Possui graduação em Letras - Língua Portuguesa pela Universidade Luterana do Brasil (2011). Licenciatura em Pedagogia, do Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes-FAIARA (2016); Especialização em Educação em LIBRAS-FBCBRASIL (2016); Pós-Graduada em Educação Inclusiva- Faculdade Ávila- (2014).

Referências

BAPTISTA, C. R. Ação pedagógica e educação especial: para além do AEE. In: JESUS, D. M. de; BAPTISTA, C. R.; CAIADO, K. R. M. (Org.). Prática peda-gógica na educação especial: multiplicidade do atendimento educacional especializado. Araraquara, São Paulo: Junqueira Marin, 2013. p. 43-61.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm Acesso em: 06 mai. 2021.

BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011 – Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 12.764/2012. Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. 2012.

BRASIL. Resolução CNE/CEB 4/2009. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de outubro de 2009, Seção 1, p. 17.

CARDOSO, C. R., TARTUCI, D.; BORGES, W. F. A atuação docente, o funci-onamento e o papel do atendimento educacional especializado em salas de recursos multifuncionais. IV Reunião ONEESP. 2014.

COELHO, C. M. M. Formação docente e sentidos da docência: o sujeito que ensina, aprende. IN: SCOZ, B. J. L.; MARTINEZ, A. M. Ensino e Aprendiza-gem – a Subjetividade Em Foco. Editora Liber livro, 2012.

GOLDBERG, K; PINHEIRO, L; BOSA, C. A. A opção de professor pela área da educação especial e sua visão acerca do processo inclusivo. Revista Perspec-tiva, n. 29, p. 59-68. Florianópolis/SC. 2005.

HARGREAVES, A. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Alfragide: McGRaw; Portugal: Hill de Portugal, 1998.

JESUS, D. M.; VIEIRA, A. B. O observatório nacional de educação especial e seus desdobramentos no estado do Espírito Santo. In: MIRANDA, T. G. (Org.). Práticas de inclusão escolar um diálogo multidisciplinar. Salvador: EDUF-BA, 2016.

LAUREANO, C. de J. B. Recomendações Projetuais para ambientes com atendimento de terapia sensorial direcionados a crianças com autismo. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tec-nológico, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Florianó-polis, 2017.

LALUVEIN, J. Parents and teachers talking in primary schools. Educate The Journal of Doctoral Research in Education. Vol. 1, No 1, p.16 – 22, 2001.

LALUVEIN, J. Parents, Teachers and the “Community of Practice”. The Quali-tative Report, v. 15, n.1, p. 176-196, Jan. 2010.

MIRANDA. T. G. Articulação entre o Atendimento Educacional Especializado e o ensino comum: construindo sistemas educacionais inclusivos. Revista Co-car. Belém/Pará, Edição Especial, N.1, p. 81-100, jan-jul. 2015b.

MOSCHINI, R.; SCHMIDT, C. Relações entre família, escola e a inclusão de pessoas com autismo. V CBEE. Congresso Brasileiro de Educação Especial e VII Encontro Nacional dos Pesquisadores em Educação Especial, 2012, São Carlos, SP. v. 1. p. 5870-5884.

ROPOLI, E. A., MANTOAN M. T. E., SANTOS, M. T. da C. T. dos., MACHADO R. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: a escola Co-mum inclusiva. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Espe-cial. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará. 2010.

SILVA, Karla Fernanda Wunder; ROZEK, Marlene; SEVERO, Gabriela. A for-mação docente e o transtorno do espectro autista. Anais, 2018, Brasil., 2018.

Downloads

Publicado

2021-11-12

Como Citar

OLIVEIRA, E. P. ASPECTOS FORMATIVOS DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO PARA O ATENDIMENTO DO ALUNO COM AUTISMO. Revista Científica FESA, [S. l.], v. 1, n. 9, p. 25–42, 2021. DOI: 10.29327/232022.1.9-2. Disponível em: https://revistafesa.com/index.php/fesa/article/view/91. Acesso em: 5 dez. 2022.